Viajar para conhecer diversos locais e regiões do mundo é muito importante. A partir de novas experiências, nós começamos a refletir e conquistamos uma compreensão mais ampla sobre como diferentes povos fazem as coisas de maneira diferente.

 

Por exemplo, os noruegueses comem hambúrguer com o garfa e faca, algo muito diferente do que ocorre no Brasil e nos EUA. No México, as pessoas têm o costume de comer com as próprias mãos, e quando alguém pede para uma outra pessoa lhe passar a comida, essa pessoa pega a comida com a mão e simplesmente passa para a outra pessoa. No Brasil as pessoas passariam a tigela, se alguém passasse a comida tocando-a diretamente com sua mão, seria uma ofensa grave. Na Alemanha, as pessoas entendem que os bens públicos “são de todos”, no Brasil, as pessoas entendem que os bens públicos “não são de ninguém”, e, portanto, qualquer pessoa pode se aproveitar dos mesmos.

 

Cada país do mundo tem uma forma diferente de agir e enxergar o mundo. Muitas pessoas infelizmente não têm consciência disso, e, portanto, vivem suas vidas como se não existissem outras maneiras de fazer as mesmas coisas que fazemos todos os dias. Para cada contexto e situação, provavelmente existe uma forma de fazer determina atividade de maneira mais eficiente e eficaz.

 

Você já parou para pensar como seria interessante se tivéssemos tempo suficiente para definir e disseminar as melhores práticas em determinadas atividades por todos os países e organizações?

 

O difícil talvez não seria definir as melhores práticas, mas sim disseminá-las! Existe uma inércia cultural em todos os países, uma certa relutância das pessoas em simplesmente admitir a possibilidade de que existem outras pessoas que podem fazer o que nós fazemos diariamente de uma maneira melhor. Ou até mesmo para questionar e discutir crenças e valores fundamentais que já estão incorporados há muito tempo.

 

Ao disseminar as melhores práticas nas organizações é possível elevar significativamente o desempenho das pessoas e equipes. Você já pensou no impacto que as melhores práticas de uma determinada competência podem ter na sua organização? Já imaginou qual seria o retorno sobre o investimento nessa transformação cultural?

 

Para que você difundir as melhores práticas na sua organização, você precisa:

 

  1. Resultados
    Identifique os resultados que precisam melhorar;

 

  1. Estratégia
    Selecione as melhores práticas e defina uma estratégia de execução (plano de ações para preencher uma lacuna de performance específica);

 

  1. Execução
    Estabeleça os processos que precisam ocorrer na prática e priorize quais ações serão executadas ao longo do tempo. Tenha foco e simplifique sempre;

 

  1. Cultura
    Identifique como as pessoas pensam e quais comportamentos elas valorizam hoje, e avalie se as crenças e valores atuais estão dando suporte à estratégia pretendida. Caso seja necessário, defina quais comportamentos e valores precisam ser eliminados, desenvolvidos ou fortalecidos;

 

  1. Lideranças
    Defina como as lideranças precisam começar a agir, quais rotinas e práticas precisam ser construídas para promover a Cultura Futura que irá dar suporte às melhores práticas.

 

Como sempre dizemos, é a cultura quem deve dar subsídio à estratégia da organização! E as mudanças precisam ocorrer no nível de execução, sendo influenciadas diretamente pelo novo comportamento das Lideranças. Se esse processo produzir resultados e experiências positivas, então você estará iniciando um processo de mudança cultural que irá difundir as melhores práticas pela organização.

 

É preciso criar uma ansiedade positiva e humildade suficiente para que as pessoas passem a adotar essas melhores práticas, e esse papel passa fundamentalmente pela mudança de comportamento das lideranças. Se você conseguir alinhar e sincronizar esses cinco elementos citados anteriormente, promovendo feedback constante e recompensas ao longo do processo de mudança, então será possível construir novos valores na sua organização.

 

Dessa maneira as melhores práticas podem ser difundidas, e assim a organização poderá desfrutar de melhores resultados. Vamos começar?

 

Reflexões

 

  • Quais práticas poderiam ser adotadas em minha empresa? 
  • Nossa cultura irá dar subsídio a tais práticas? 
  • Qual o benefício poderíamos ter com melhores práticas?

 

 

 

Pedro Ernesto Paro

Fundador e idealizador da Trustin – Culture That Drives Performance. Especialista em Evolução Organizacional, Mestre em Transformação Organizacional e Engenheiro de Produção pela USP. Especialista em Estratégia pela Universidade da Virgínia (USA), Finanças pela Universidade de Melbourne (Austrália) e Black Belt Lean Six Sigma pela UNICAMP. Somada à formação acadêmica, possui também experiência abrangente liderando grandes Projetos de Transformação, tendo já atuado em diferentes indústrias e empresas de serviços, nacionais e multinacionais, de médio e grande porte.

 

 

Quer receber mais conteúdos?